arquivo

Artwork

Sou muito fã da arte pop do homie Joshua Williams – ou Takun Williams/ TechnoDrome1, como assina – é um jovem artista do Brooklyn, Nova York que cria ilustrações pop multicoloridas e vibrantes. Seu trabalho é bem urbano e contemporâneo, o que é explicado por suas principais influências, de acordo com o próprio Joshua: Andy Warhol e Jean-Michel Basquiat.

As ilustrações desse americano nascido em Jersey e que hoje mora no Brooklyn, em Nova York, já rodaram blogs e sites gringos e nacionais, com destaque para os desenhos das “celebridades” do mundo contemporâneo, como A$AP Rocky, Kayne West, M.I.A., Alvim Kingdom (rs), entre inúmeros outros nomes da cultura pop. 

Kayne West, por Technodrome1

A$AP Rocky, por Technodrome1

M.I.A, por Technodrome1

Alvim Kingdom, por Technodrome1

Williams começou a desenhar inspirado nos desenhos animados que via na televisão, especialmente as tartarugas ninjas. O gosto pela arte, de certa forma, é de família. O pai, arquiteto, também fazia pinturas a óleo, o que despertou o interesse do garoto por artes plásticas. Além disso, o irmão é escritor.

Apesar de já ter sido comparado com Andy Warhol, talvez pela influência do mundo pop em seu trabalho, entre as diferentes referências de Williams – ele mesmo cita Basquiat, Warhol, Egon Sheile, Gustav Klimt, Matisse, Pollack, Picasso e Mr. Brainwash –, os cartoons têm um lugar especial. “A maioria das minhas influências é mais contemporânea, como Frank Miller e o Sin City, Jim Lee e os X-men, e os quadrinhos”.

Com a popularidade em alta, no caminho para alcançar as estrelas desenhadas por ele, suas ilustrações variam de US$ 100 a US$ 5 mil. Todos os desenhos são feitos com o que ele chama de “super” Mac, em seu apartamento no Brooklyn.

Confira abaixo Technodrome em uma matéria para a dope mag Complex!

Who Is Technodrome?

Fonte: ComplexMag

Excellence is the bare minimum – Alvim Kingdom

Para celebrar a vida do lendário produtor de hip-hop J Dilla, a J Dilla Foundation está se preparando para lançar uma nova figura de vinil do “cara“. Desenhado por Phil Song Young, o brinquedo de vinil remete a uma grande e suave semelhança a Dilla, o boneco vem está equipado com um boné Detroit, uma corrente com um “donut” pendurado, um par de Dunks e seu fiel MPC. O brinquedo Dilla será lançado ainda no final deste ano, muito “cool” poder colecionar seus ídolos em miniatura.

Fonte: Highsnobiety

Excellence is the bare minimum – Alvim Kingdom

Os designers croatas Bruketa & Žinić criaram um relatório anual para a empresa de investimento Adris que só pode ser identificado no escuro. A proposta reflete a filosofia da empresa, que investe em “ideias que iluminem o futuro”.

Cópias do livro foram exibidas em uma sala montada num festival de mídia em que as luzes acendiam e apagavam em intervalos.

Fonte: Dezeen

Excellence is the bare minimum – Alvim Kingdom

Mariel Clayton tem uma quedinha por crimes macabros – aqui você pode refrescar sua memória com as Barbies assassinas. Na nova série Little Plastic Deaths, a fotógrafa canadense dá seguimento a seu trabalho bizarro com as bonecas mais icônicas do mundo.

Agora, as Barbies passaram de assassinas a suicidas. Nas imagens que seguem, vemos as bonecas com os pulsos cortados, enforcadas, asfixiadas, queimadas e em outras situações pós-morte bem perturbadoras. Confira mais no site do fotógrafo!

Fonte: Mariel Clayton

Excellence is the bare minimum – Alvim Kingdom

Velskoen, conhecidos coloquialmente como “vellies”, são os ancestrais das botas de deserto modernas. Eles começaram a ser fabricados por volta de 1600, inspirados pelos calçados da tribo Khoikhoi e feitos com materiais selvagens. Operando na Namíbia, a Schier Shoes dá continuidade à tradição e produz manualmente 20 pares do calçado por dia.

Jason Eric Hardwick foi quem assumiu a tarefa de realizar um ensaio fotográfico para os sapatos da marca, e vale dizer que executou a tarefa à altura. O resultado é um ensaio encantador e cheio de estilo!

Fonte: Schiershoes 

Excellence is the bare minimum – Alvim Kingdom

Qual é o momento em que passamos da juventude para a vida adulta? Dificilmente alguém se lembrará do ano em que amadureceu e começou a se interessar por coisas “adultas”, a levar a sério a faculdade e a trabalhar. O fotógrafo RJ Shaughnessy apresenta momentos que ressaltam o “ser jovem” e como essa juventude nos escapa sem que percebamos.

Você se identifica com alguma das fotos? Teve algum desses momentos na sua juventude?

Fonte: rjshaughnessy

Excellence is the bare minimum – Alvim Kingdom